O custo Brasil para exportação

 

O custo Brasil para exportação. O Brasil é a 8ª economia do mundo, mas fica em 23º lugar entre os países exportadores.

 

  O custo Brasil para exportação

Todos os países do mundo exportaram US$15,9 trilhões em 2017 e o Brasil exportou US$217,7 bilhões, ou o equivalente a 1,34% do comércio mundial.

O Brasil é a 8ª economia do mundo, mas fica em 23º lugar entre os países exportadores.

O Brasil tem mais de 12 milhões de empresas, mas somente 25.057 conseguiram exportar em 2017, o equivalente a 0,21%.

Em verdade, segundo informações do SEBRAE, são 23 milhões de empresários – 8 milhões de MPEs, 8 milhões de MEIs e 7 milhões de artesãos.

Com tantas oportunidades que vemos no mundo, por que o Brasil participa tão pouco do comércio mundial?  Somos um país reconhecidamente de empreendedores que vencem dificuldades diárias para empreender e por que não temos o mesmo ímpeto para empreender globalmente?

Muitas são as respostas padronizadas e fáceis, como culpar a taxa de câmbio ou culpar o “custo Brasil”. Estes fatores tem alguma relevância, sem dúvida, mas, isto não é verdade quando vemos a série contínua da pouca representatividade do Brasil no comércio mundial.

Podemos, então, analisar quais os principais fatores que atrapalham ou impedem a veia global dos empreendedores brasileiros?

Podemos. E podemos concentrar estas dificuldades em três grandes barreiras naturais a serem vencidas, a começar pela primeira barreira, e mais importante, que é o desconhecimento de rotinas e procedimentos de comércio internacional, desde o cálculo dos preços e a emissão da Profoma Invoice, até a entrega no destino final. A primeira barreira é de rotinas.

A segunda barreira é a de mercado, da necessidade da informação para de saber quando e onde o empreendedor pode buscar seus potenciais clientes. O mundo trabalha permanentemente na função oferta-procura, porque os países nunca produzem tudo que consomem. A “lei das vantagens comparativas” também mostra que alguns países são bem melhores – e com menores custos – em produzir uma mercadoria do que outros. Portanto, o empresário tem que saber como buscar esta informação. E o governo brasileiro é falho em buscar esta informação para suprir seus empresários, até porque com onze órgãos trabalhando no mesmo campo evidentemente a coordenação é a primeira vítima!

A terceira barreira é a de logística como um fator de venda. Não basta a empresa vender. Ela tem que saber entregar – e entregar o produto onde o seu cliente deseja receber. O mundo globalizado está preferindo receber o que compra na porta de sua loja ou depósito e não mais na fábrica do vendedor. Temos que aprender e nos acostumar a explorar a logística do “door-to-door”.

Destas três grandes barreiras naturaisrotinas, mercado e logística – é que decorrem todas as outras dificuldades como planejamento, qualidade, prazo de entrega, preço, marketing e outras. Mas, todas estão vinculadas às três principais.

Mas, existe outra barreira que pode ser tão relevante quanto as barreiras naturais, e, às vezes, até pior, criada pelo próprio governo: é a burocracia estatal. A burocracia estatal, desde a chegada dos portugueses ao Brasil, em 1500, é um entrave ao nosso desenvolvimento.

Para abrir ou encerrar uma empresa, na maioria das regiões metropolitanas, o processo leva meses e até anos, com exigências quase sempre absurdas. No comércio exterior a situação é idêntica, com a “colaboração” de sindicatos e associações de profissionais e o exagerado controle dos agentes públicos.

Falta também um planejamento do governo para que o país tenha metas quantitativas e qualitativas de comércio internacional. O Brasil precisa encontrar uma forma de capacitar e inserir mais empresas no comércio internacional e precisa planejar para ficar menos dependente da exportação de commodities.

O custo Brasil para exportação

O custo Brasil para exportação não é uma barreira natural. É um custo criado pela nossa excessiva burocracia e a falta de planejamento governamental.

A Intradebook tenta ajudar as micros, pequenas e médias empresas, bem como MEIs e artesãos a vencerem as três barreiras naturais: mercados, rotinas e logística. Cabe ao governo federal – estaduais e municipais também – trabalhar pela redução séria e imediata do custo Brasil para exportação.

Fontes: https://www.statista.com e https://g1.globo.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WordPress spam blocked by CleanTalk.
%d blogueiros gostam disto: